NACIONAIS

FNA lamenta o falecimento do urbanista Severiano Mário Porto

A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA) lamenta o falecimento do arquiteto e urbanista Severiano Mário Porto, vítima da Covid-19. A morte foi confirmada nesta quinta-feira (10/12), em Niterói (RJ). Nascido em Uberlândia em 1930, Porto tinha 90 anos de idade e ganhou fama mundial de “arquiteto da floresta”, ou “arquiteto da Amazônia, por ser responsável por um modelo original de arquitetura amazônica.

Severiano desenvolveu muitos projetos no Amazonas entre eles: o Estádio Vivaldo Lima, 1965, e o restaurante Chapéu de Palha, de 1967, ambos já demolidos. Em 2016, por iniciativa da Assembléia Legislativa do Amazonas, com envolvimento do CAU/AM, diversas de suas obras foram tombadas, por seu interesse arquitetônico, histórico e cultura. Entre elas, está o Fórum Henoch Reis, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), a Universidade Federal do Amazonas (UFAM), a Sede da Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA), o Banco da Amazonia e o Centro de Proteção Ambiental de Balbina, hoje em ruínas.

Depois de premiado na Bienal Internacional de Arquitetura de Buenos Aires, em 1985, ele alcançou renome internacional, o que é confirmado em 1987, quando é homenageado como o homem do ano pela revista francesa “L’Architecture d’Aujourd’hui”.

Presidente-fundador do IAB no Estado do Amazonas, em 1976, e um dos fundadores da AsBEA, Severiano também exerceu a função de professor de arquitetura e urbanismo na Faculdade de Tecnologia da Universidade do Amazonas, de 1972 a 1998. Depois de 36 anos vivendo em Manaus, o arquiteto retorna ao Rio de Janeiro, e transfere o escritório para Niterói, onde passou a morar. Em 2003 recebe o título professor honoris causa da Universidade Federal do Rio de Janeiro – URFJ.

Severiano Mário Porto pertencia ao grupo de “arquitetos peregrinos, nômades e migrantes” (nas palavras do arquiteto e crítico Hugo Segawa) que a partir dos anos 1950 deixam os grandes centros do país, sobretudo o Rio de Janeiro, em busca de novas oportunidades de trabalho.

“Severiano Porto se destaca no cenário arquitetônico nacional pela obra construída no Amazonas desde os anos 1960, sendo cultuado desde 1980 como um arquiteto regionalista que sabe aproveitar de forma criativa os materiais e os costumes do lugar. Mais conhecida pela valorização e o uso da madeira amazônica bruta, a sua obra, entretanto, não se restringe a esse material. A atenção dada às condições específicas da região não impede que ele utilize outros elementos e técnicas construtivos, como o alumínio, o cimento amianto, o concreto e o aço. Isso porque, em seus projetos, se orienta mais pelo clima, programa, materiais, técnicas e recursos financeiros disponíveis do que por anseios românticos ou nostálgicos” (Enciclopédia Itaú Cultural).

Com informações do CAU/BR
Crédito da foto: Reprodução Rede Amazonas

The post FNA lamenta o falecimento do urbanista Severiano Mário Porto appeared first on FNA.